quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

. sinais .

sempre que soa o telefone
eu suo frio
(quem será?)
espero o som que te separa
dos outros seres
anseio pelo som da sua voz
por sentir a suavidade
dos seus sons
por receber seus sinais.
não importa a distância
refaço minhas forças
na ânsia de sentir
a sua sombra.

Um comentário:

Roberto Borati disse...

bonito, muito.

é na distância que deparamos com alguma coisa realmente latente.